Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design sem nome.jpg
Design%20sem%20nome_edited.jpg

Bens históricos e culturais tombados

Design sem nome (4).png

Apresentamos os templos históricos católicos de nosso município, tendo como base o livro “ Templos Católicos do Rio de Janeiro – Manual” de autoria do Sr. Orlindo José de Carvalho.

Nossas igrejas são repositórios de nossa História, como protagonistas importantes do passado político e social, desde os períodos da Colônia, Reino, Império e República. Algumas foram verdadeiros baluartes da resistência aos invasores franceses, ajudando a repelir os pretensos fundadores da França Antártica. Outras guardam importantes relíquias históricas e religiosas. Com a chegada da Corte Portuguesa em 1808, a Capela do Convento dos Carmelitas, atual Igreja Nossa Senhora do Carmo da antiga Sé,  foi elevada à condição  de Capela Real e Catedral.  Nela aconteceu a aclamação  de D. João VI como Rei de Portugal, as coroações de D. Pedro I e D. Pedro II, como Imperadores do Brasil, bem como o batizado da  Princesa Isabel em 1846, além do seu casamento com o Conde D’Eu, primeiro casamento de príncipes no Continente Americano.

Desde a sua fundação por seu defensor Estácio de Sá em 1565, a nova cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro esteve sob a jurisdição espiritual do Bispado de Salvador. Em 19 de julho de 1575, pelo Breve “In supermminenti militantis Eclesiae”, do Papa Gregório XIII, foi criada a Prelazia da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Em 16 de novembro de 1676, pela Bula do Papa Inocêncio XI, “Romani Pastoralis sollicitudo”, a primitiva Prelazia de São Sebastião do Rio de Janeiro, foi elevada à categoria de Diocese.

 

A Diocese de São Sebastião do Rio de Janeiro foi elevada a Arquidiocese em 27 de abril de 1892 e tem como padroeiro principal São Sebastião e como padroeira Secundária, Sant’Anna.

Relação dos Bens tombados

 
Design sem nome (4).png